"Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, and ideas are bulletproof"
pesquisar neste blog
posts recentes

Escolha quase aleatória do dia #26

Escolha quase aleatória do dia #25

Escolha quase aleatória do dia #24

Escolha quase aleatória do dia #23

Escolha quase aleatória do dia #22

Escolha quase aleatória do dia #21

Escolha quase aleatória do dia #20

Escolha quase aleatória do dia #19

Escolha quase aleatória do dia #18

Escolha quase aleatória do dia #17

arquivos

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008
Passage
Como leitor assíduo do Kottke, estou habituado a encontrar links e análises muito interessantes (par)a novos produtos e conceitos. Na minha leitura de hoje deparei-me com um post curto que fazia alusão a um jogo que, pelos vistos, tem dado que falar.

O nome do jogo é Passage e o seu conceito e objectivos (explicados pelo autor aqui) são muito simples: condensar o nosso percurso de vida em 5 minutos e, de uma forma mais ou menos dinâmica, ajustar o sucesso no jogo às decisões que vamos tomando.
Sim, apenas isso. Simples, não é? Genial, não é? O interface podia ser melhor, não é? Pois... já diziam os antigos que viver não custa, o que custa é saber viver.

Como tenho consciência da minha responsabilidade enquanto autor deste blog, aviso desde já para o potencial viciante deste jogo.

Boas decisões :)
tags: ,

publicado por lpedro às 23:48

2

De Ricardo M. a 3 de Fevereiro de 2008 às 16:21
É no mínimo impressionante a forma como algo tão simples, tão banal, nos afecta simplesmente por causa de uma tocante premissa base. Num estilo de jogo onde geralmente o acumular máximo de pontos é o desafio, torna-se aqui estupidamente irrelevante - a segunda vez que o joguei estava-me a dedicar aos pequenos cofres e rapidamente me perguntei "mas porque raio me estou a meter nestes caminhos complicados só por causa disto? É inútil!".

E aí bateu-me, de forma ainda mais pesada, a consciência do jogo. De facto, a morte de uma personagem de poucas dezenas de pixéis tornou o jogo completamente pointless, tal era o hábito (de alguns minutos!) da companhia de viagem.

No entanto, apesar de impressionado... não quero jogar isto novamente, ao passo que o professor o descreve como "viciante". Portanto, ao criador do jogo... missão cumprida!


De Rui M. Vieira a 27 de Abril de 2008 às 18:01
Vou experimentar e depois comento.
Mas aproveito para dizer que tenho acompanhado | o meu filho é que joga - outro jogo e acho que está lá tudo da web 2.0. Isso talvez ajude a perceber os milhares de jogadores falantes de Português do "tribal wars" que (tal como está na 1ª página):
"é um jogo online ambientado na idade média.
Cada jogador é senhor de uma pequena aldeia, a qual deve ajudar a ganhar poder e glória."

Está disponível em: http://www.tribalwars.com.br/

Penso que a ideia tem muitas possibilidades educativas! Vamos ver no futuro.

Cumpts,
Rui M. Vieira


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post