"Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, and ideas are bulletproof"
pesquisar neste blog
posts recentes

Escolha quase aleatória do dia #26

Escolha quase aleatória do dia #25

Escolha quase aleatória do dia #24

Escolha quase aleatória do dia #23

Escolha quase aleatória do dia #22

Escolha quase aleatória do dia #21

Escolha quase aleatória do dia #20

Escolha quase aleatória do dia #19

Escolha quase aleatória do dia #18

Escolha quase aleatória do dia #17

arquivos

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008
Programação: a nova literacia
Segundo Stephen Downes, que cita Doug Holton que, por seu turno, cita Mark Prensky, podemos estar a assistir a uma viragem muito interessante em termos educativos/epistemológicos em que a programação pode ser a nova literacia para um novo século: "the single skill that will, above all others, distinguish a literate person is programming literacy, the ability to make digital technology do whatever, within the possible one wants it to do."

Para quem está envolvido nas disciplinas de Laboratórios Multimédia de Novas Tecnologias da Comunicação esta é uma notícia refrescante :-)
tags: , ,

publicado por lpedro às 00:40

8

De Te Yalin a 11 de Fevereiro de 2008 às 07:50
Beeem... não podia ser melhor!
Esta tua entrada tem tudo a ver com a minha tese de mestrado - uma investigação-acção ao vivo e a cores com os meus miúdos(andam a programar em Scratch - MIT, linguagem divulgada em Maio de 2007-freeware e fartam-se de aprender outras coisas pelo caminho, abrindo "as cabecinhas" para antecipação de conteúdos... têm 10 aninhos e trabalham com coordenadas cartesianas...outros com 11 já fazem programas-jogos interactivos sofisticados... enfim). Ao lê-la, perguntei-me se no texto original o scratch seria referido... fui cuscar e, não só esse texto se encontra num site que é para mim dos melhores (uma referência) como,naturalmente, menciona o scratch como uma das linguagens de programação acessíveis aos jovens... Uma excelente referência para usar, reforçando esta ideia que partilho há muito com Papert e HArel, desde os tempos do LOGO (mais recentemente com Resnick, Kafai, Andrea e outros) de que as actividades de programação deviam ocupar um papel importante (central) no trabalho com tecnologias em educação. Obrigada pela dica!


De Luis Pedro a 11 de Fevereiro de 2008 às 12:17
:-)

De nada!

Luís


De Herr Macintosh a 11 de Fevereiro de 2008 às 13:28
Se entendermos esta literacia da programação como a forma de análise e apropriação de técnicas para a resolução de problemas, sobretudo lógicos, então concordo que é importante mas não a mais importante. Concordo muito mais com a ideia do Toffler quando ele diz que no futuro será necessário saber aprender, desapreender e reaprender.


De Te Yalin a 11 de Fevereiro de 2008 às 18:10
JL (HM), acho que falamos exactamente do mesmo: resolver problemas, claro. E quem consegue resolvê-los se se mantiver encurralado em preconceito? Quem consegue ser criativo na sua resolução, avançar, inovar, fazer a diferença, sem dominar essa que é a mais essencial das funções do cérebro/competências humanas - desaprender?
Partilhámos, tu e eu, este caminho tantas vezes... posso dizer que foi contigo que me fiz à estrada das tecnologias de forma mais séria, inovadora e consistente, ao descobrir finalmente que não há coisa mais humana do que elas... :) (ou não estaríamos aqui triangulando Aveiro, Setúbal e Azeitão, conversando amenamente com um café virtual no meio... eu cá até sinto o cheirinho, e vocês?)


De Luis Pedro a 11 de Fevereiro de 2008 às 23:54
O diálogo está interessante :-)
Concordo com o que foi dito. E concordo também com a definição mais abrangente de programação, implícita no artigo original. E, finalmente, concordo que as tecnologias devem estar ao serviço de pessoas e estratégias de E/A e não o contrário.

Até já... pausa para provar o meu café ;-)


De MárioV a 12 de Fevereiro de 2008 às 00:14
"definição mais abrangente de programação" offtopic: Há algum tempo que especulo sobre a possibilidade de criar um sistema de computação não electrónico em que o processador e memória seriam substituídos por pessoas reais numa espécie de dança combinada. Cada um desempenharia tarefas genéricas e locais, de tal forma, que o grupo pudesse "performar" um algoritmo... uma espécie de máquina de Turing ou de Post mas com pessoas em lugar da fita...
MárioV


De Luis Pedro a 12 de Fevereiro de 2008 às 00:36
Curioso, também já dei comigo a pensar nisso: um algoritmo humano. Conta comigo para colocar a ideia a andar!
Amanhã falamos melhor :-)


De Te Yalin a 13 de Fevereiro de 2008 às 06:18
:)


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post