"Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, and ideas are bulletproof"
pesquisar neste blog
posts recentes

Escolha quase aleatória do dia #26

Escolha quase aleatória do dia #25

Escolha quase aleatória do dia #24

Escolha quase aleatória do dia #23

Escolha quase aleatória do dia #22

Escolha quase aleatória do dia #21

Escolha quase aleatória do dia #20

Escolha quase aleatória do dia #19

Escolha quase aleatória do dia #18

Escolha quase aleatória do dia #17

arquivos

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Terça-feira, 4 de Outubro de 2011
Paternidade

O que tenho para dizer é importante. É tão importante que, mentalmente, elaborei mil e uma formas de o escrever de forma clara e inequívoca, misturando aqui e ali apontamentos de humor e da mais brilhante inteligência.
Mas agora, com o editor à minha frente, só me ocorrem clichés e verdades de La Palice.
Se calhar, é essa a verdade mais profunda de ser pai. A falta de um guião, os mil e um planos (que vai ser uma boa refeição, uma boa noite de sono, uma boa noite de trabalho) falhados, o improviso envergonhado de quem quer muito fazer tudo bem mas que não sabe mais o que é muito, o que é tudo e o que é bem.
Se calhar a maior verdade nisto de ser pai é uma dúvida maior, de não termos certezas, de não termos descanso, de não termos segurança. De vivermos sempre preocupados com o que não sabemos mas sempre felizes com o que vivemos até agora.
E essa dúvida é exponenciada por um ser que pula, que se sobrepõe a tudo, que gere tudo sem mandar mas que, estranhamente, não nos incomoda nem nos diminui.
Sim, a verdade é que eu sou muito maior desde que sou pai. E a culpa é de um ser pequenino que me fez crescer quando eu ainda queria brincar mas que, simultaneamente, me fez crescer para que eu pudesse brincar da forma mais pura que existe.


tags: , ,

publicado por lpedro às 11:13

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post