"Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, and ideas are bulletproof"
pesquisar neste blog
posts recentes

Escolha quase aleatória do dia #26

Escolha quase aleatória do dia #25

Escolha quase aleatória do dia #24

Escolha quase aleatória do dia #23

Escolha quase aleatória do dia #22

Escolha quase aleatória do dia #21

Escolha quase aleatória do dia #20

Escolha quase aleatória do dia #19

Escolha quase aleatória do dia #18

Escolha quase aleatória do dia #17

arquivos

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Sexta-feira, 4 de Julho de 2008
A nova (e a velha) presença social
Uma das grandes vantagens associadas aos ambientes virtuais multi-utilizador (e, neste caso concreto, ao Second Life) está relacionada com o facto de permitirem reforçar e transmitir uma dada presença social, através das representações digitais dos indivíduos.
Mas, se reflectirmos um pouco acerca deste conceito, as seguintes perguntas aparecem de uma forma lógica: não será redutor considerar a nossa presença social apenas como um resultado directo do que nos é fornecido pela mera imersividade numa dada ferramenta? Este conceito de presença social não deveria ser alargado/exponenciado a/por todas as ferramentas/plataformas/serviços que utilizamos nas nossas actividades diárias?
Já tinha falado, há uns tempos, de uma tecnologia concreta que implementa a versão 2.0 deste conceito. Mas há mais novidades.
Para confirmar o potencial deste conceito (da presença social em ambientes online), sugiro a leitura deste artigo do Stephen Downes e, mais especificamente, a notícia e o vídeo disponibilizados aqui.
A afirmação do Stephen Downes continua a fazer, do meu ponto de vista, todo o sentido: novas tecnologias deveriam implicar, necessariamente, novas abordagens/metodologias de exploração e utilização e não apenas a replicação das metodologias anteriores num ambiente mais trendy.

PS - A este respeito ler também o parágrafo onde a imparável Gwyn fala da potencialidade dos mixed-media events. E se, para além de mixed-media events, pudéssemos participar activamente em cross-mixed-multi-media/platforms events ;) ?
tags: ,

publicado por lpedro às 15:55
2

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários