"Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, and ideas are bulletproof"
pesquisar neste blog
posts recentes

Escolha quase aleatória do dia #26

Escolha quase aleatória do dia #25

Escolha quase aleatória do dia #24

Escolha quase aleatória do dia #23

Escolha quase aleatória do dia #22

Escolha quase aleatória do dia #21

Escolha quase aleatória do dia #20

Escolha quase aleatória do dia #19

Escolha quase aleatória do dia #18

Escolha quase aleatória do dia #17

arquivos

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007
Taras - capítulo 1 (PJ Harvey)

Antes de tudo, uma clarificação importante. A verdade é que sou um grande fã da música desta senhora. Talvez por isso - pelo receio de ser pouco imparcial e de poder, inadvertidamente, mostrar uma admiração praticamente saloia - tenho vindo a adiar, consecutivamente, a decisão de escrever um post acerca da PJ Harvey. Mas chegou a altura de o fazer. Para evitar problemas de maior, digo já do que é gosto menos no seu trabalho. Os álbuns mais recentes da PJ Harvey são, desde "Is this Desire", menos crús, menos agressivos e menos despojados. E, tendencialmente, eu gosto de acordes duros e pouco rendilhados, sem remisturas e trabalho de estúdio. E de vozes poderosas e atormentadas, de conjugações rítmicas que, por se limitarem ao indispensável, nos dão algum espaço criativo enquanto ouvintes e nos deixam, por esse motivo, ser praticamente co-autores do que ouvimos. No entanto, nos últimos anos, a estrutura do projecto musical da PJ Harvey tem vindo a mudar. Em traços gerais, este tem-se mostrado mais refinado, mais polido, mais trabalhado. Aparentemente, menos espontâneo. Em termos pessoais, o essencial no que diz respeito à música da PJ Harvey é que apenas mudou a fonte do arrepio na espinha. Se antes essa sensação era provocada pelo giz afiado no quadro, agora insinua-se como o tabaco: entra no corpo e permanece por pouco tempo, como que a exigir (uma e) mais uma audição.


tags: , ,

publicado por lpedro às 16:10

1

De João Lima a 7 de Dezembro de 2007 às 20:48
Olá!

Também sou grande fã da PJ...
Mas deixo uma descoberta recente, também interessante:

http://www.youtube.com/watch?v=6i0pIqrRxmw&feature=related


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post